A Missa é a Missa, “seja lá como for”?

Atualizado: 7 de Out de 2019


Sim, a Sagrada Eucaristia é sempre a Sagrada Eucaristia, mas e nós? Estamos nos acercando deste augusto mistério com a reverência, o temor, a concentração e a efusão de beleza devidas ao Santíssimo Sacramento? É comum que os católicos amantes da liturgia tradicional — ou que pelo menos desejam ver a moderna celebrada em clara continuidade com a precedente — ouçam de algumas pessoas algo parecido com isto: Você está fazendo muito caso de coisas marginais. Não importa a forma ou o estilo, é a mesma Eucaristia, não? No latim ou em língua vernácula, Tridentina ou Novus Ordo, cantada ou rezada, em um auditório na América ou em uma catedral na Europa, a Eucaristia ainda está presente, e ainda somos alimentados por ela. Comparado a isso, nada mais realmente importa, não acha? O resto é acidental, externo, discutível, mutável. Na verdade, alguém que se prende a cerimônias, rubricas, cantos e por aí vai, só demonstra estar alheio ao que é essencial. Afinal de contas, seja como for, a Missa é a Missa. O problema com essa forma de pensar é que ela subestima radicalmente quer a influência que tem sobre aquilo em que cremos o modo como adoramos (lex orandi, lex credendi), quer a disposição em que nos é capaz de colocar para receber Nosso Senhor um espírito correto de adoração e humildade. Ela reflete a antropologia materialista moderna onde nada importa a não ser “finalizar o trabalho”; se ele é feito de maneira nobre ou medíocre parece não fazer a mínima importância. Ela demonstra, ainda, uma incrível ingenuidade quanto à sutil interseção da economia sacramental com a psicologia humana. E representa, por fim, uma ruptura com vinte séculos de pensamento e prática católicas. Sim, a Sagrada Eucaristia é sempre a Sagrada Eucaristia, mas e nós? Estamos nos acercando deste augusto mistério com a reverência silenciosa, o temor vivo de Deus, a solene concentração e a generosa efusão de beleza que são devidas ao Sanctissimum? E se não estamos, por que não o fazemos? O que isso diz a respeito da pureza da nossa fé e do ardor da nossa caridade? Teriam os sagrados mistérios cessado de nos impressionar, de nos encher de admiração, de nos colocar de joelhos, de requerer o melhor da nossa cultura? Com quem temos brincado — com Deus ou com nós mesmos? A Missa é sempre a Missa no que diz respeito à confecção da Eucaristia, mas uma Missa que tem como marca a reverência e a solenidade é muito diferente para nós e para o nosso relacionamento com Deus do que uma Missa rápida e insípida, ou uma que seja longa e cheia de abusos. Na verdade, se deformamos demais os aspectos ditos “externos” da Missa, terminamos por minar nossa fé na presença real de Jesus na Eucaristia. O Santíssimo Sacramento é o maior tesouro da Igreja, o seu dom mais precioso, o seu maior mistério, a sua maior fonte de prodígios, o seu segredo mais privilegiado. É o coração pulsante de toda a sua vida apostólica e contemplativa. E o santo sacrifício da Missa é o único meio através do qual esse dom chega até nós, renovado para cada geração de discípulos. Desonre a Santa Missa ou abuse dela, faça-a parecer menos bela e misteriosa do que ela é, e você estará tirando a honra e abusando de ninguém menos que Aquele que vem até nós, e só através dela; você estará deformando a fé e os fiéis. Se deformamos demais os aspectos ditos “externos” da Missa, terminamos por minar nossa fé na presença real de Jesus na Eucaristia. A música sacra é a veste da palavra — e que bela veste ela deve ser, para ser digna dessa divina pronúncia! O templo é o lugar em que Nosso Senhor eucarístico vem fazer sua morada: Emanuel, Deus conosco. Também ele deve parecer o que de fato é, sem lugar a confusões. Paramentos, objetos, ações rituais — em suma, tudo o que diz respeito à ação litúrgica — devem ser como o Corpo e o Sangue de Cristo: santo, sagrado, separado. Tudo o que não é o Senhor deve ser o seu trono visível, o seu domínio sagrado, belo, solene e admirável, a fim de que tomemos consciência: estamos recebendo nosso Rei quando Ele vem ao seu Reino. Por isso, na próxima vez que alguém lhe disser: “A Missa é a Missa, seja lá como for”, considere responder assim: “Jesus não é só Jesus, Ele é o Filho de Deus, o Rei de todas as coisas, o Juiz dos vivos e mortos; e a Missa não é só a Missa, ela é o santo sacrifício do Calvário presente de novo em nosso meio. E assim como qualquer pessoa sã cairia de joelhos diante de Jesus e daria a Ele o melhor possível de si, nós todos devemos fazer o mesmo com o santo sacrifício da Missa, durante o qual nós verdadeiramente nos prostramos diante do Senhor do céu e da terra — e isso é o mínimo que se deve exigir de todo sacerdote e leigo católico que ousar colocar os seus pés em uma igreja”.

Peter KwasniewskiTradução: Equipe Christo Nihil Praeponere23 de Agosto de 2019

Fonte: https://padrepauloricardo.org/blog/a-missa-e-a-missa-seja-la-como-for


28 visualizações
SOBRE NÓS

Somos uma Comunidade Missionária Católica, localizada na Diocese de Campo Limpo, residente no território da Paróquia Todos os Santos  na cidade de Embu das Artes. 

LOCALIZAÇÃO

Contato:

(11) 99393-5092

(11) 96973-8011

Endereço:

Estrada de itapecerica a campo limpo, 1971 -
Jardim presidente Kennedy  

Embu - CEP 06820 185

CONECTE-SE

© 2017 por Comunidade Missionária Católica Envia-me.